CLIQUE AQUI E SEJA LEVADA Á MAIOR LOJA DE BIQUÍNIS ATACADO E VAREJO DO BRASIL

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Gigantismo de navios e diversidade de idiomas dificultam resgate em naufrágios

DA FRANCE PRESSE


O tamanho gigantesco dos navios e a procedência multinacional dos passageiros e tripulantes, que transformam as embarcações em verdadeiras Torres de Babel, complicam as operações de resgate em caso de naufrágio, como aconteceu com o cruzeiro italiano Costa Concordia.
"O que mais chama a atenção é o tamanho do cruzeiro, quase 300 metros de extensão", enfatizou Jacques Loiseau, presidente da Afcan (Associação Francesa de Capitães de Navio), entrevistado pela AFP.
"Com frequência advertimos aos meios marítimos sobre esta tendência ao gigantismo dos navios", observou Loiseau. "Em caso de naufrágio, com tal tamanho, jamais será possível salvar todo mundo, inclusive nas melhores condições", assinalou.
Gregorio Borgia/Associated Press
Navio Costa Concordia adernou após se chocar com rochedo na ilha de Giglio
Navio adernou após se chocar com rochas na ilha de Giglio
Com seus 290 metros de extensão, o Costa Concordia podia receber até 3.780 passageiros, o que requeria uma tripulação de 1.000 pessoas. Mais de 4.200 passageiros e tripulantes estavam a bordo do navio quando este encalhou numa rocha e naufragou, matando seis pessoas.
Alguns navios ou ferrys podem receber até 6.000 passageiros e 2.000 membros da tripulação.
A tendência ao gigantismo dos navios preocupa as autoridades. Prova disso é que esse foi o tema de um exercício de resgate no Canal da Mancha em setembro passado, dentro do fórum da Guarda Costeira do Atlântico Norte (North Atlantic Coast Guard Forum), que reuniu 20 países.
"O aumento considerável do número de passageiros a bordo dos navios acarreta novas obrigações vinculadas à segurança das embarcações", observa o documento de apresentação do exercício.
Em caso de naufrágio ou desastre em um destes navios, "a evacuação e o resgate dos passageiros se tornam operações de grande complexidade, com um risco muito grande de perdas humanas", enfatizou o documento.
O exercício de 2011 simulava um incêndio em um ferry gigantesco - 4.000 passageiros e 1.000 membros da tripulação - entre a costa norte da Bretanha, na França, e um porto do Reino Unido.
No mar, em caso de acidente, "pode-se evacuar 10 ou 20 pessoas graças aos helicópteros, mas 2.000 ou 3.000 passageiros é impossível", admite a prefeitura marítima do Atlântico.
Outra dificuldade no caso do Concordia foi a diversidade dos idiomas, tanto entre os passageiros, que pertenciam a 60 nacionalidades diferentes, como entre os tripulantes.
Segundo a companhia Costa Cruzeiros, proprietária do navio, a tripulação era composta por pessoas de 40 nacionalidades diferentes, em sua maioria asiáticos.
Segundo um colombiano que trabalhava no barco, "a tripulação asiática, que representava praticamente a metade, falava muito mal o inglês e se comunicava por sinais" com os passageiros e o resto da tripulação.
A diversidade dos idiomas "é um fator determinante nos momentos importantes" nas operações de socorro. "É preciso bastante treinamento para superar esse obstáculo, porque o pânico atrapalha a comunicação", disse Loiseau.
"As ordens devem ser repetidas em diversos idiomas e os membros da tripulação na maioria das vezes carecem do conhecimento das palavras necessárias nesses momentos", concluiu.
Giorgio Fanciulli/AP
Costa Concordia inclina-se logo após colidir em uma rocha na costa da Itália; embarcação tinha 290 metros e capacidade para mais de 4.000 pessoas
Costa Concordia inclina-se logo após colidir em rocha na costa da Itália; embarcação tinha capacidade para mais de 4.000 pessoas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.